Princesas da Disney: Diversidade, representatividade

10:45


  Brave tem sido motivo de falação nas redes e em movimentos feministas por causa da diferença evidente de outras personagens femininas que geralmente se destacavam. Os tempos mudaram, garotas iniciaram uma jornada longa para se reconhecer, finalmente, entre personagens de desenhos, séries, filmes... A indústria dos brinquedos teve que se virar com o fato de terem que produzir bonecas de cabelos enroladinhos e bonecas de outras etnias, quando estavam acostumados a um único padrão. Padrão esse que nós, não bonecas, temos que seguir gradualmente todos os dias de nossas vidas.

   As bonecas que eram "filhas de pano" se transformaram em plástico, e o plástico hoje não cabe mais a nós, não nos representam, não podem nos limitar. Sem se reconhecer nos personagens, o que é comum, não havia representatividade de uma diversidade que é real, não temos só meninas Barbies, não temos só "mamães", nós temos advogadas, médicas, dentistas, psicólogas, professoras, mecânicas, veterinárias e temos, além de tudo: possibilidades! O tempos mudaram!

   Saiu uma nota a um tempo atrás dizendo que os desenhos com princesas de cabelos enrolados é uma evolução pro cinema e pra indústria, já que são mais difíceis de serem desenhados, tendo hoje materiais que possam ajudar no desenvolvimento desse tipo de projeto, abriu centenas de possibilidades que nunca existiram, uma delas é representatividade, todas as meninas, sem exceção, podem encontrar princesas e bonecas parecidas, cabelo, pele, olhos... A boneca perfeita de olhos claros e belos cabelos louros e lisos não é mais uma grande opção.

    Assim como Brave ou "Valente", nós temos um exemplo muito grandioso dessa evolução, como a Princesa e o Sapo, que foi transformada em uma linda princesa negra na nova versão. Ilustradores tem avançado em desmistificar a princesa sagrada e pura, desenhando-as como zumbis, com cabelos diferentes e mais modernas. Os ilustradores tem espalhado essa realidade de forma humorística e bem dinâmica através de seus trabalhos... Além disso, o cinema levou outras versões de contos de fadas para as telonas, com vilãs que podem sim e devem representar aquelas que não querem ser princesas!

   Antigamente a princesa esperava o príncipe encantado sentada, atualmente elas são seletivas quanto aos casamentos arranjados, lutam bravamente com espada, arco e flecha e andam a cavalo! Se estamos progredindo com os direitos iguais? Ah, com certeza! E hoje, isso vai começar na infância.

1 - C-Cassandra traz em suas ilustrações das princesas que tinham cabelos lisos e agora são retratadas com cabelos enroladinhos! Se sente representada?! Eu sim!









2 -  O Ilustrador Paul Westover traz a nós desenhos bastante críticos. Em sua arte ele mostra que "todos somos iguais na hora de cagar!", e não é que essa ideia de que princesa não caga e mulher não caga foi desmistificada? Além de engraçados, os desenhos mostram todas elas em situações que são bem íntimas e que são ignoradas por todos nós, afinal quem assiste aos desenhos da Disney e imagina uma princesa defecando? haha







3 - Josh Wmc criou  a série “Disney Figher", onde retrata as princesas como lutadoras e guerreiras! 









4 - Um pouco mais ousado o ilustrador  Jeffrey Thomas trouxe as princesas para um cenário bastante diferente do habitual, nessas ilustrações as princesas aparecem em um"apocalipse" zumbi! E não é que ficou bem legal? 

















4 - Piercing, Tattoo... O ilustrador Emmanuel Viola mostra um lado mais hipster das princesas na série "Tattooed Disney Princess". Com estilos bem próprios e modernos, elas estão com mais atitude!








5 - Em "As damas de ferro", a artista Sadyna traz as princesas como guerreiras. Armaduras, flechas, espadas, escudos... Olha que incrível!




Postagens sugeridas

6 Comentários

  1. Realmente estava na hora de uma mudança, afinal vivemos num mundo com etnias diferentes e não é justo tudo ser sempre tão perfeito já que pra maioria isso não é assim.

    Gosto dessa mudança, inclusive nos filmes como o da Malévola e Para Sempre Cinderela de 1998, onde mostra um príncipe nada parecido com os contos de fada, ou seja desmistifica essa coisa do perfeito!

    Isso com certeza vai fazer muito bem para as gerações de hoje e futuras.

    Ótimo post!
    Bjos
    Minda ❤ =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Minda!
      Pois é, sempre foi muito ruim ter em quem se espalhar... Hoje as coisas estão mudando e dando aberturar para isso, e é muito bacana que isso aconteça! Muitas meninas vão se livrar da insegurança que muitas de nós estamos habituadas!
      Obrigada pela visita! <3

      Excluir
  2. Oi oi,

    amei o post e as ilustrações (principalmente as das princesas encaracoladas kkkk). A Disney começou a mudar um pouco o jeito de suas princesas (percebe-se pela Elsa e a a ruivinha que esqueci o nome), mas ainda falta muito para eles abandonarem esses padrões tolos e nos entregar princesas dignas do século 21: garotas fortes, de todos os tipos e trejeitos, independentes, com sonhos e desejos, capazes de lutar por si mesmas e pelos outros...

    Beijos!
    Visite o Mademoiselle Loves Books
    http://www.mademoisellelovesbooks.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Ana, falta muuuuito! Mas já podemos ver mudanças significativas, isso me deixa muito feliz e esperançosa *-*
      Obg pela visita! <3

      Excluir
  3. Os que eu mais gostei foram os com o cabelo cacheado! Achei mais real, enquanto alguns achei com um apelo sexual desnecessário...
    O da Bela usando o banheiro também foi engraçado! Hahahah

    Beijos,
    Giulia | www.1livro1filme.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha os do banheiro foram muito engraçado mesmo!
      Eu gostei das de cabelo cacheado também, o maior incentivo! hhahaahahah

      Excluir

POSTAGENS POPULARES