O tabu da masturbação feminina

12:59


   Nós vemos muitos sites direcionados ao público feminino abordar a masturbação, sempre pautando é claro a ideia de que a masturbação não é tão comum para as mulheres e que baseado no fato de que a igreja foi e ainda é dona de nossos sagrados úteros, qualquer coisa relacionada à masturbação e ao gênero feminino é motivo para caretas de nojo, olhares indiscretos de repulsa e outros sintomas epidêmicos do discurso de que as mulheres não podem ou não devem se submeter aos desejos e vontades e nem mesmo aos seus próprios corpos. Eis um segredo de Estado: Mulheres também se masturbam!

[...] Mas, e isso é um fato, para muitas mulheres a masturbação precisa de encenação. O homem pega a revista masculina mais próxima e começa a se tocar de qualquer jeito, enquanto encara fotos de mulheres despidas [...] A masturbação feminina é diferente. É delicada, sutil. É quase como uma dança. Você tem que descobrir os passos que funcionam para você, decorá-los e repeti-los como uma coreografia. [...]" 
— 4 Semanas de prazer, pág. 4.

    A uns meses atrás tive a oportunidade de ler um segundo livro erótico que traz um trecho que me trouxe maiores reflexões sobre a real diferença sobre a masturbação masculina e a feminina, não pelo fato de que homens se masturbam livremente sem qualquer pudor e fazem questão de gritar isso aos quatro ventos, mas pelo fato de que há sim grandes diferenças e que para muitas de nós ainda é um mistério. Partindo do principio de que a sexualidade feminina sempre foi um tabu e qualquer coisa relacionada à nossos corpos é tido como algo nojento e asqueroso, muitas mulheres nem mesmo sabem como se tocar, ou sabem que podem se tocar. 

  É realmente muito triste que isso aconteça já que o auto conhecimento é necessário para que possamos então conhecer outras pessoas e nos permitir sentir prazer. Nossos corpos desde sempre serviram somente para objetificação, corpos vazios que estrelam em filmes e não sentem prazer algum, mulheres sexualmente ativas que não se dão o prazer merecido mas precisam dar ao outro tal prazer, sempre sendo mostrada como mais uma mulher bonita com um corpo perfeito e nada mais.

   

    É compreensível que a nossa sexualidade é uma ameaça para todo o mundo, é da nossa sexualidade e do conhecimento dessa que nós conseguimos gerar vida e dela vem a nossa força, o culto ao nossos corpos sagrados, sagrado não no sentido de algo "puro", mas sagrado no sentido de grandiosidade. Postei algo relacionado a isso a um tempo atrás e que pode ser lido aqui

   Diante disso qualquer manifestação da nossa sexualidade é motivo para uma real histeria coletiva, onde qualquer sinal de prazer da mulher tem que ser direcionado ao homem macho, qualquer parte do corpo da mulher é um vestígio de sua sexualidade severamente reprimida e disso entendemos o quão machista é o mundo em que nós vivemos, olhando os papéis que interpretamos dentro de todo o contexto social, ora como mãe e dona de casa, ora como atriz de filme pornô, ora como mulheres nada inteligentes que usam seu corpo para atingir altos níveis de audiência em programas de tv, ora como vadias consumidas pelo ódio da ideologia feminista que prega a matança e mutilação dos homens, quando na verdade esses homens macho nem mesmo sabem diferenciar feminismo de femismo. 

   Eis que só sabe pelo que passa e pelo que sofre aqueles que passam e aqueles que sofrem, é preciso estar na pele do outro para entender a imensidão das coisas e o nome que dão a isso é compaixão, e é algo que tem feito falta no mundo desde que o homem entende-se por homem e não por "ser humano", ninguém quer o trabalho de estar na pele do outro quando na sua cabeça estar na própria pele já é um fardo enorme, o nome que dão a isso é individualismo. O individualismo é bastante problemático nesse caso já que vivemos em um coletivo, ou pelo menos deveríamos viver como um.

  Vasculhando a internet (como sempre) me deparei com canal no youtube chamado "Puro Êxtase", eu pensei muito a respeito antes de trazer as minhas análises para 'cá', já que apesar de ser um trabalho que está se iniciando, é muito visto pelos internautas e não tenho a intenção de gerar polêmica e nem mesmo a intenção de problematizar, mas como qualquer telespectador tenho abertura para fazer críticas construtivas a um trabalho que particularmente não gostei. Esse canal traz vídeos que abordam a masturbação feminina que muitos não conhecem e que muitos ainda colocam como um grande mistério a ser revelado, quando na verdade é mais um fato cotidiano tão comum quanto a masturbação masculina. Eis que esses vídeos são inspirados nos trabalho Hysterical Literature, que também traz vídeos de mulheres que são estimuladas enquanto leem um livro de contexto erótico. 

  Acontece que o trabalho da Hysterical Literature é muito mais profissional a abordar o tema, não porque é estrangeiro e dessa forma gera mais entusiasmo e profissionalismo, mas porque tudo foi devidamente explicado, não trouxeram qualquer erotização e nem mesmo colocaram as mulheres que se disponibilizaram a participar em situações constrangedoras, ao contrário de um dos vídeos da Puro Êxtase, que colocou uma figura masculina em um dos vídeos e gerou menor manifestação da participante. Esse não é nem o começo do problema, em comparação a outro vídeo do mesmo canal onde colocaram uma garota de programa bastante bonita, cheia de tatuagens e bastante popular em uma situação mais íntima, quando ela é colocada em um lugar sozinha sentada em uma mesa de um restaurante vazio e é estimulada enquanto come macarrão.

   Assisti os dois vídeos para analisar o trabalho já que aborda uma questão tabu e que pode trazer muitos problemas se não é abordado profissionalmente, nenhum dos vídeos explica o motivo real do trabalho, não explica como funcionou esse estímulo, não foca na real ideia de trazer informação sobre a masturbação ser tabu, embora todas as mulheres dos vídeos se apresentem e tenham participado por livre e espontânea vontade. Não satisfeita em ver os vídeos que tem longa duração e pareceu mais um entretenimento para rapazes pelas caras e bocas, fui até os comentários para ver o que os seguidores pensavam a respeito dos vídeos e do trabalho. Para começar a grande maioria do público é masculino, a grande maioria dos comentários é sobre o vídeo de uma ser muito melhor do que o da outra já que uma não se manifestou com caras e bocas — sem que eles entendessem que a segunda garota tinha a companhia de um homem ao lado, além de ser gravada em um momento que deveria ser íntimo —, como se a moça não fosse bonita o suficiente e como se ela estivesse nesse vídeo somente para trazer entretenimento para quem estava assistindo. 

   Eu me questionei muitas vezes e li muitas vezes alguns dos comentários para entender o que aqueles rapazes queriam dizer e só entendi que nenhum deles entendeu a real proposta, claramente que não, já que os "produtores" do vídeo não explicaram bem o que queriam com essa abordagem.

   Em um contraponto que fiz, o trabalho da Hysterical Literature se propôs a colocar todas as mulheres no mesmo contexto e se preocuparam com a imagem delas, já que não trouxeram só mulheres gemendo e muitos momentos foram cortados para que aquilo não ficasse repetitivo e cansativo e desinteressante, sendo que a proposta não eram vídeos eróticos. Não podemos comparar ambos os trabalhos pelo profissionalismo, nó sabemos que é preciso ter dinheiro envolvido na "campanha", é preciso um bom material para uma boa abordagem e tudo isso, mas é importante que tenha a preocupação sobre o que se está abordando, coisa que o puro êxtase não fez. Para mim, sendo mulher, é preocupante a ideia do canal e onde eles realmente desejam chegar com os vídeos. 

  Nós temos uma mídia machista que aborda somente corpos, que não abre espaço para trabalhos inteligentes e não acho que mais um trabalho igual ao que temos por ai nos seja útil e interessante, ainda mais porque a ideia seria conscientizar e informar e não contribuir com ideologias que agridem, matam, distribuem preconceito e proliferam a objetificação de seres humanos.
   Não quis me manifestar para o próprio canal justamente porque sendo feminista, os olhares cairiam para cima de mim como se eu estivesse generalizando ou problematizando a questão, que como eu disse, resta a cada um sentir na pele. Bom, eles postaram um vídeo falando sobre o fato de serem denunciados por pornografia e se manifestaram a respeito. Infelizmente eu discordo de todos os pontos declarados por ambos os apresentadores. Algumas coisas sobre o público infantil estar livre para ver o que quer nas redes eu até concordo que é preciso estar atento para isso, mas tendo em mente que a internet como é seria feita para um público adulto, só me resta lamentar que pais e mães não se questionem sobre isso, e enfim, essa não é exatamente a questão. Esse vídeo "explicativo" trouxe um recorte a respeito em um pequeno texto da própria descrição do vídeo e é a seguinte:

"Parece quase um 50 tons de cinza, não? ERRADO. A grande sacada da série é brincar com a imaginação do espectador. Nada é mostrado além do registro de reações das estrelas de cada episódio, sem contar que toda essa situação que deveria (de novo, na imaginação das pessoas) exalar sedução, se torna hilária, estranha, transgressora e incomum. Mas pornográfico? Desculpa Brasil, acredito que exista problemas bem maiores do que um registro bem humorado de uma situação que só pode ser definida como curiosa.".

   Pera, pera, pera! "... exalar sedução, se torna hilária, estranha, transgressora e incomum."?, mas, e a ideia de abordar a sexualidade feminina com profissionalismo quando se trata de uma questão séria, quando isso ainda é tabu? Tornar hilária uma manifestação sexual de uma mulher sendo masturbada? Oi? Sério? Porque isso tem de ser cômico? E é exatamente essa reflexão que trago a vocês, problematizar não os vídeos ou o trabalho pouco profissional, mas a real intenção de cada pessoa quando usam a imagem de outras (pessoas conscientes ou não do que estão fazendo). 

   Porque ao invés de mostrar uma mulher, não mostram homens, já que é tão comum que homens se masturbem, de repente, nem denunciados seriam já que homem se masturbar é normal. Para quem quiser conhecer um trabalho realmente profissional a respeito do tema, segue o link:


hystericalliterature.com/stoya/


"Quando eu descobri o que era masturbação e o quanto me culpei por tal ato, por noites em que fui dormir chorando por ter cometido um pecado e que meus pais não deveriam se orgulhar de mim, porque não era certo o que estava fazendo, até que uma mulher na igreja (minha catequista) disse que adolescentes que se masturbavam ou eram gays ou lésbicas, e então eu entrei em choque... e passei a desconstruir tudo aquilo que eu entendia como certo ou errado. A masturbação feminina continua sendo um tabu assim como todas as questões que envolve a mulher, é foda viver nessa sociedade patriarcal onde o falo é totalmente aplaudido, santificado digamos assim, enquanto nossas flores são apenas deixadas à margem e ridicularizadas..." 
— Lê (Coautora no blog)

Postagens sugeridas

2 Comentários

POSTAGENS POPULARES

FACEBOOK

Subscribe